Start content

10 dicas de como preparar as crianças para ler braille

por Marina Yonashiro

Descrição da imagem: foto colorida das mãos de uma criança lendo um texto em braille. Ao ado esquerdo repousa uma reglete. Ao fundo, há um adulto segurando uma folha em branco.

Crédito: Cristina Stoll / Associação Morcegos em Ação

Celebrando o Dia Mundial do Braille, nós traduzimos esse artigo da Escola Perkins, dos Estados Unidos, para você se informar, compartilhar e participar ainda mais da vida das crianças com deficiência visual.

Antes mesmo das crianças aprenderem a ler, existem métodos que podem ser usados pelos pais para deixá-las preparadas para essa fase.

Aprender a ler na verdade começa ao nascer. O processo inclui desenvolver conceitos cognitivos básicos, habilidades motoras, linguagem e comunicação, entre outras coisas. Crianças aprendendo a ler braille precisam desenvolver suas habilidades de coordenação motora fina e de percepção tátil. Aqui estão 10 dicas para começar.

1. Dê à criança muito contato com o braille em todos os lugares.

Lembre-se de que crianças que enxergam olham milhões e milhões de palavras antes de começarem a ler. Impressões estão em todos os lugares: em caixas e recipientes de comida, embalagens de shampoo e pasta de dente que podem ser vistos em casa, em lojas e na televisão. As palavras impressas também são vistas em jornais, revistas, livros, correspondências, computadores, listas, etc. Agora pense quanto de prática e exposição uma criança que enxerga teve antes das aulas para aprender a ler. Para a criança que não enxerga, é essencial providenciar o máximo de exposição ao braillepossível. Itens da casa devem ser marcados em braille, assim como ter à disposição vários materiais também em braille.

2. Promova atividades para desenvolver a coordenação motora fina.

Incentive a criança a abrir e fechar vários tipos de recipientes e roupas (como botões e zíperes). Convide-a a ajudar em tarefas domésticas, mexendo, cortando, colhendo e derramando. Essas atividades podem não parecer importantes para aprender a ler, mas acredite que são.

3. Promova atividades de diferenciar, categorizar e combinar objetos.

Faça a criança organizar vários tipos de materiais – botões, feijões, castanhas, moedas. Pode ser qualquer coisa contanto que ela possa sentir a diferença entre eles. Peça para ela separar os grandes dos pequenos; os duros dos macios; os quadrados dos triângulos; etc. Certifique-se de estabelecer locais distintos para colocar os itens em um espaço organizado. Por exemplo, moedas misturadas podem ficar em um prato; as moedas de 25 centavos ficam em uma cumbuca à esquerda; as de 10 centavos, em uma outra cumbuca à direita. Nesse ponto, a criança não precisa entender o valor das moedas, mas apenas conseguir distinguir suas diferenças táteis.

4. Peça para a criança contar histórias e fatos sequenciais.

Decodificar o braille é apenas uma parte do processo de aprender a ler – desenvolvimento da linguagem também é algo importante. Peça para a criança te contar coisas cotidianas: cinco coisas que comprou no mercado; o que fez na escola ontem; o que fez depois de acordar? E depois? Eantes de ir dormir?

5. Ajude a criança a entender posições, direções e orientações espaciais.

Pratique com ela conceitos espaciais como acima e abaixo; sobre e sob; à frente e atrás; perto; parte superior, inferior e meio; esquerda, direita e centro. Peça a ela para fazer ações dando essas referências (exemplo: coloque o copo atrás de você). Depois diga a ela para fazer com dois objetos (exemplo: coloque o livro sobre o prato). Por último, peça para ela apontar os locais em uma página (exemplo: mostre a parte inferior esquerda da página).

6. Pratique contas.

Contar é natural no nosso cotidiano: contar camisetas no cesto, quantidade de garfos na pia, os passos de um lugar para o outro. Contar quantas pessoas vão se sentar à mesa para o jantar e daí contar as cadeiras e os talheres; colocar um prato para cada cadeira e um copo para cada prato. Pergunte à criança quantos itens há em algum lugar. Por exemplo, dê a ela oito colheres e pergunte quantas são. Depois, dê a ela uma quantidade de itens e peça para fazer uma seleção. Por exemplo: dê a ela dez castanhas e peça seis destas.

7. Providencie oportunidades para melhorar as percepções táteis.

Crie livros táteis para a criança ter contato com materiais diferentes. Depois, dê a ela atividades práticas com várias letrasem braille iguais com apenas uma delas sendo diferente. Por exemplo, escrevaa-a-a-a-a-l-a-a-a em braille. Peça para a criança encontrar a letra diferente. O próximo exercício é escrever em uma linha várias vezes o nome dela e, entre as repetições, colocar uma palavra diferente. Por exemplo: Maria-Maria-Maria-querida-Maria-Maria. Você pode ir complicando à medida que ela vai ganhando prática.

8. Crie histórias relacionadas às próprias experiências dela.

Convide-a a contar um evento. Escreva o que ela diz em tinta e em braille. Depois leiam os dois juntos em voz alta, porque isso a ajuda para começar a entender que o braille tem significado e que toda palavra em braille corresponde a uma palavra falada. Esse também é um modo de motivá-la a criar seus próprios livros.

9. Encoraje-a a “rabiscar” em braille.

Ler e escrever andam de mãos dadas quando se trata de desenvolver habilidades literárias. Crianças que enxergam rabiscam com giz de cera e canetinhas bem antes de começarem a escrever letras de verdade. De forma parecida, crianças que estão aprendendo braille precisam fazer marcas no papel com uma reglete ou uma prancheta e um estilete.

10. Ler todo dia!

Começamos a publicação sugerindo que a criança precisa ter muita exposição ao braille em todo lugar da casa e em todo ambiente possível. É importante também ler histórias com ela todo dia. A exposição ao braille é normalmente importante, mas é igualmente importante para a criança entender que braille é um código para a linguagem falada. Ouvir histórias lidas em voz alta é uma ótima maneira de começar esse processo – e inspirar uma vida cheia de amor pela leitura.

Charlotte Cushman é autora desse texto, produtora de conteúdo educacional web e administradora do programa de treinamento e recursos educacionais da Escola Perkins.

Traduzido por Marina Yonashiro em janeiro de 2018 de http://www.perkins.org/stories/ten-tips-to-prepare-your-child-to-learn-to-read-braille